Um passo à frente

De seguidores a criadores de tendências

Texto por Eliana Macedo - PFM Team
Opinião Think Piece
Quarta, 02 de Março de 2016, 18:55h

Novas gerações criativas estão a traçar um caminho de sucesso para o calçado português. Entre o investimento de milhões em campanhas de internacionalização e a aposta na criação de marcas próprias, o made in Portugal’ está a afirmar-se e a conquistar novos mercados.

Com as exportações a crescer pelo 6º ano consecutivo, em 2015, atingimos um novo máximo histórico. Exportamos 79 milhões de pares de sapatos, o correspondente a 1865 milhões de euros.

Reconhecido pelo saber fazer de experientes mestres sapateiros, Portugal já não é visto como um mero produtor de calçado.

 

 © Guava e Friendly Fire

 

A par da crescente produção para private labels internacionais, desde 2009 foram criadas em Portugal mais de 300 insígnias próprias. Novas marcas de footwear como a Sr Prudêncio, a Lemon Jelly, a Exceed, a Xperimental Shoes, a Guava e a Friendly Fire, que atentas ao comportamento e lifestyle do consumidor internacional, despertam o setor para novas oportunidades.

Em paralelo com a crescente aposta na criação de marcas de calçado, assistimos à valorização de mais de 50% no preço médio de saída de fábrica. Quer isto dizer que, muito mais do que com o aumento do número de pares produzidos, a subida do valor das exportações relaciona-se com a subida significativa do preço dos sapatos que saem das nossas fábricas.

Atualmente, os sapatos portugueses ocupam o segundo lugar no ranking dos mais caros do mundo, ultrapassados apenas pelos modelos italianos.

 

© Xperimental Shoes e Sr Prudêncio

A revitalização da imagem da industria portuguesa do calçado está na origem da crescente valorização internacional. Com a convicção de afirmar o calçado português como a “principal referencia mundial com base na produção própria”, a APICCAPS fortaleceu laços com os industriais do setor e redefiniu uma estratégia comum.

Em pouco mais de uma década, o setor português do calçado conheceu uma significativa transformação. Fomos ousados, inovadores, disruptivos. Passamos de seguidores a lançadores de tendências.

Criamos uma marca forte e desafiamo-nos a competir a uma escala global.

 

Portuguese Soul Magazine © Frederico Martins

 

Com o mercado externo a absorver 95% da produção de sapatos das nossas fábricas, o setor do calçado, atualmente, é o que mais contribui positivamente para a balança comercial portuguesa. Sucessivas campanhas de promoção dos nossos ‘Portuguese Shoes’ valem-nos prémios internacionais e o estatuto de ‘industria mais sexy da Europa’.

Com o know how, a flexibilidade e a atenção ao detalhe como valores intrínsecos, poderá o sucesso do calçado made in Portugal servir de guia a outros setores criativos?