Tudo é melhor com um café de especialidade!

Texto por Eliana Macedo - PFM Team
Opinião Think Piece
Quinta, 26 de Janeiro de 2017, 16:12h

De visita a alguns dos nossos espaços favoritos no Porto, apercebemo-nos da chegada de uma nova tendência à cidade: parar um pouco, esquecer por momentos as agendas atarefadas e desfrutar de um saboroso e demorado café. Com uma boa revista, a acompanhar uma tarde de compras, ou com uma boa conversa com o nosso grupo de amigos mais próximos.

Não estamos a falar de um café qualquer, mas de um irresistível specialty coffee. E, para os que ainda não experimentaram, posso já adiantar que não é só o nome que é especial nesta bebida. Para começar, o que distingue este café do café comercial, é o facto de ser cultivado e colhido de forma artesanal e de o aroma e o sabor variarem conforme os solos e microclimas da região onde são produzidos. É por isso que, ao chegar ao balcão, nos deparamos com várias etapas até descobrir o café à nossa medida.

 

© Manifesto 

Geralmente, os espaços que vendem specialty coffee permitem escolher entre diversas origens do grão, diferentes torras (do menos ao mais queimado, ou do menos ao mais amargo) e entre vários métodos de confecção (V6, Chemex e Aeropress). O que é certo é que, independentemente da nossa preferência, este é um café apenas para quem é adepto do slow living. Não só porque cada café demora entre 5 a 10 minutos a ser confeccionado, mas também porque é, por definição, uma bebida de elevada qualidade e com um sabor único, que nos convida a esquecer a pressa e a simplesmente desfrutar.

O conceito é importado de marcas como a Urban Outfitters e a Burberry e de cidades como Nova Iorque, Tóquio, Berlim e Londres, onde é bastante normal ver lojas de roupa, livrarias, floristas e até galerias de arte a partilhar o seu espaço com os grãos e máquinas de café. No entanto, apesar do ritual ter chegado há relativamente pouco tempo à cidade do Porto, tem vindo a conquistar rapidamente a atenção do consumidor.

 

© Intelligentsia's Herald Square Cafe na Urban Outfiters

Enquanto o Manifesto, no Mercado de Matosinhos, partilha o espaço com o Wanderlust Coffee Lab, para que possamos acompanhar as nossas leituras com um café artesanal, o Mesa 325 oferece-nos várias opções, para saborear durante longas sessões de trabalho ou de estudo. Num ambiente descontraído, com música de vinil à mistura, o Bop Café apresenta também uma vasta seleção de grãos, para desfrutar em horas de lazer. 

Leonor Sá, do Mesa 325, considera que “temos o hábito de beber café muito enraizado na nossa cultura, mas não estamos habitados a beber um bom café, bem feito”. O café expresso “a que estamos habituados, geralmente é amargo, adstringente, denso e forte”. Em contraste, o specialty coffee, “um café produzido com grãos que crescem num local designado, sem defeitos e em que se conhece a planta e todas as características de cultivo, pode-se distinguir do café 'regular' como tendo mais acidez, sabor frutado, floral e delicado”, esclarece.

No Mesa 325, para as bebidas preparadas com expresso, é utilizado um blend de várias origens. Para o café de filtro (preparado em V60 ou Chemex) e french press, são selecionados grãos de café de origens únicas (single origins), como Etiópia, Brasil, Colombia, Peru, Guatemala, Ruanda, Honduras. “O café preparado com estes grãos deve ser calmamente bebido e saboreado”, sugere Leonor, já que “quem tiver o paladar e olfato mais apurados pode mesmo distinguir as características de cada origem”.

 

© Mesa 325

No Bop “há mais atenção ao detalhe na forma como o café é tratado e serviço, e o resultado final fala por si”, promete Filipe Ribeiro. “O Specialty Coffee é uma categoria de avaliação de café, que só faz sentido ser aplicada se existir uma cadeia de pessoas dedicadas a trabalhar um produto de qualidade superior. Desde o momento em que uma árvore é plantada, passando pela colheita, seleção, torra, moagem e extração”, esclarece. “Se for registada uma falha em qualquer um destes passos põe-se em causa todo o trabalho feito”, colmata.

Tendo em conta as suas características únicas, este café “deve ser consumido o mais brevemente possível após a torra”, afirma Filipe, explicando que no Bop o café é torrado com menos de uma semana de antecedência à sua preparação. Entre as opções do menu, podemos encontrar specialty coffee para o serviço de Espresso e bebidas derivadas, assim como para Pour Over em Hario V60. No primeiro caso, o Bop trabalha um blend de arábicas com seis origens diferentes. No caso do pour-over, são usados Specialtys Single Origin, ou seja, um café que vem especificamente de uma fazenda ou cooperativa, dedicado a um consumidor informado que sabe previamente o que procura.

 

© Bop Café

Daily Day é o mais recente espaço a integrar uma specialty coffee shop no seu interior - a Bruto Café. E pelas mãos de um especialista. Michaël chegou recentemente à cidade, depois de trabalhar vários anos como barista em coffee shops londrinas, como a Fernandez Wells e a Flat White, e na torra do café, na Caravan Coffee Roasters. Uma ótima notícia para os clientes da Daily Day, que podem agora aproveitar uma visita à loja para provar um bom café.

Numa altura em que o consumidor procura cada vez mais experiências e atividades que se adaptem ao seu lifestyle, a integração deste serviço complementar é uma ótima aposta para os pontos de venda, independentemente da área de atividade. Ao sentir-se incluído e confortável, o consumidor vai sentir vontade de permanecer, aumentando, assim, também a sua identificação com o produto exposto e, por isso, a possibilidade de compra. 

Como não é exercida pressão comercial pela parte do vendedor, o visitante identifica-se e cria associações positivas com o espaço. E, naturalmente, vai querer voltar.

Afinal, quem é que não prefere comprar acompanhado de um delicioso café?