Campanhã / São Lázaro

CAMPANHÃ

As primeiras impressões enganam. Pode parecer desgastado e um pouco desarrumado, mas a definição correcta é misterioso. Um caldeirão de experiências urbanas é o que este bairro promete.

Campanhã, que é por muitos considerada a zona emergente, ainda vive do ir e do vir dos comboios que ligam esta cidade às restantes do país. Esta estação, antiga quinta burguesa dos tempo das grandes famílias nobres da cidade, é o epicentro desta área. Por aqui respira-se um ar bem mais antigo do Porto. Daquele tipo que remota aos mais longínquos momentos da criação da cidade.  Outrora altamente industrializada e com uma forte dinâmica de cultivo, esta vasta zona é ainda ocupada por quem aqui se instalou há muito, muito tempo. Quem daqui é, daqui não sai, nem sairá. Por isso, se sente que se entra quase nas profundezas da história do Porto e as suas pessoas são claramente esse reflexo.

Contudo, a tendência de evoulção desta zona que começou algures na década de 50 deste século é algo cada vez mais presente. O aumento da população jovem nestas redondezas é uma das grandes mudanças que aqui se vive. Procuram, claramente, ocupar as ruas de Campanhã com uma nova vibração. Mais underground, quase insolente e que não se deixa travar por limites convencionados.

Exemplos como as artes gráficas da Oficina Arara, as Fanzines do Panda Gordo, e a transformação de antigos armazéns em habitação de artes do Espaço Mira, povoam as ruelas de Campanhã. Abrindo caminho e chamando outros tantos nos próximos tempos.



SÃO LÁZARO

Um pouco mais adiante, na Rua do Heroísmo começa a respirar-se uma atmosfera indie. A sua primeira manifestação é visível no velhinho Centro Comercial Stop, outrora abandonado pelos comerciantes e tomado pela comunidade de músicos local. Lojas foram reconvertidas em autênticos estúdios de produção e salas de ensaio. Aqui, nasceram nomes sonantes da música nacional como Manuel Cruz ou Slimmy. Hoje, apesar de ser um viveiro musical ameaçado, a música ainda ecoa nos seus corredores degradados.

Artsy é outro slogan que conseguimos levianamente colar à zona de São Lázaro dentro deste bairro. A constante presença e influência dos alunos da Faculdade de Belas Artes e de outras escolas artísticas que aqui habitam e que já o tomaram como deles, permite-nos fazê-lo.

 

Assim, o ambiente alternativo vive lado a lado com o que de mais tradicional o Porto tem para oferecer.

Negócios artísticos nasceram junto a tascas tradicionais, teatros funcionam perto de oficinas locais, lojas de moda modernas abrem à porta de floristas vintage.

Mas, calma que o que se sente e não se vê são as mentes criativas da cidade a trabalhar. Por detrás de quase qualquer loja ou por cima da maioria dos estabelecimentos, artistas, artesãos e génios criativos têm os seus estúdios e oficinas. Do mais rudimentar e modesto - como a sande gordurosa de pernil da Casa Guedes - ao mais fora do comum e emergente movimento - como o multifacetado Maus Hábitos - os extremos dos estilos de vida do Porto aqui convivem. A Praça dos Poveiros é um bom reflexo disso mesmo. Respirar fundo e rodopiar pelas ruas e ruelas, é o melhor plano.

Tudo isto só é possível, pela não chegada dos preços inflacionados das rendas praticadas a Oeste da Avenida dos Aliados. Aqui na Avenida Rodrigues de Freitas e nas suas ruas circundantes, ainda se consegue praticar o negócio artístico quase que underground, experimentando e afinando tudo aquilo que foi aprendido ou não nas escolas aqui das redondezas. Para além das escolas, outras “instituições” do Porto ilucidativas da corrente de pensamento vivida há muito neste bairro, têm sede aqui. Como é o caso do bar Passos Manuel, do cabeleireiro Anjos Urbanos, ou até a humilde e genuína Feira da Vandoma -  a percursora de todo tipo de mercados urbanos, que proliferam hoje em dia por toda a cidade.  

Tão rico e tão diversificado, esta zona do bairro ainda inclui a rua de comércio mais movimentada da cidade - Santa Catarina. Não vale perder o rumo em cada esquina, mas também não vale falhar uma visita à primeira loja internacional da Zara ou à primeira loja da Parfois ou ainda à principal loja Eureka (três andares repletos de lindos sapatos “Made in Portugal”)! Tudo isto e muito mais nesta zona, para entreter e admirar.